Blog RH | 25 Outubro 2017

Como poupar tempo e dinheiro em processos de recrutamento?

Recrutamento
O recrutamento de funcionários é dispendioso. Se recorrer a uma empresa externa ou se utilizar somente recursos internos, os custos diretos são cada vez mais importantes. E isto deve-se, em parte, à tecnologia digital.

Há alguns anos, o processo de recrutamento limitava-se a publicar um anúncio e a receber currículos e cartas de apresentação de quem tinha lido o anúncio no jornal. Atualmente, os nossos anúncios chegam, graças a sites de emprego ou redes sociais, a um número inestimável de pessoas e geram automaticamente mais respostas, mas, paradoxalmente, candidaturas de menor qualidade. Encontramo-nos numa época em que é fácil copiar cartas de apresentação, enviar um currículo e passar à próxima oferta de emprego, para a qual o candidato possa ser menos qualificado que para a primeira.

Estes candidatos em massa, do tipo fire and forget, congestionam as caixas de e-mail da equipa encarregue pelo recrutamento. Obviamente, entre essa massa, há candidatos que poderiam adequar-se perfeitamente ao cargo, mas ficam imiscuídos num tecido indiferenciado de outros candidatos, e a primeira tarefa do recrutador é classificá-los e encontrar aqueles que correspondem aos critérios do cargo. Esta primeira etapa da classificação consome bastante tempo e comporta efeitos secundários nocivos. O recrutador perde bastante tempo a analisar currículos, e aqueles que empreenderam essa tarefa concordarão que, após 40 currículos, a atenção é perdida e, na procura dos 3 ou 5 currículos que levaram a convocar o candidato, corre-se o risco de eliminar alguns que, noutras circunstâncias, se destacariam da pilha de currículos.

Mas mesmo antes desta fase de divulgação de um anúncio, existe uma falta de ferramentas (especialmente em empresas que excedem uma determinada dimensão) para tirar partido da escolha de candidatos com que todos os departamentos de Recursos Humanos contam, especialmente para os perfis cujos processos de seleção ocorrem em momentos decisivos. Em muitas organizações, os perfis recebidos são recolhidos na sequência de processos de seleção anteriores ou de candidaturas espontâneas, na melhor das hipóteses em PDF e, muitas vezes, até em papel. E, infelizmente, observa-se que, com alguma frequência, esses arquivos perdem-se em pastas do computador de um funcionário ou num arquivo nos recônditos do serviço de pessoal…

Porquê? É preciso tempo, é claro, mas também fazem falta ferramentas dedicadas à procura inteligente de perfis nos dados recolhidos, mas que esquecemos de capitalizar. É mais simples colocar um novo anúncio do que reclassificar dezenas de candidaturas e perder energia, tempo e dinheiro.

Da mesma forma, a seleção interna também é frequentemente negligenciada. É procurado um funcionário que corresponda a critérios específicos de competência e personalidade. Mas antes de procurar no mercado, parece razoável verificar se o perfil já existe na sua organização, noutro departamento, noutro local ou numa subsidiária.

Contudo, quantos e-mails enviam os Recursos Humanos aos gerentes operacionais a perguntar se há alguém na sua equipa que se possa adequar? Quantos desses gerentes, que têm a oportunidade de trabalhar com essa oportunidade, querem responder para dizer ao departamento de Recursos Humanos: “Peço, tire-me do meu departamento, por favor, imploro”?

A menos que um excelente funcionário apresente a sua demissão nos meses seguintes, não terá tido a possibilidade de evoluir de acordo com os seus desejos nesta organização. Outro risco que devemos ter em conta será o de perder um bom elemento, aquele que concorre com todas as suas competências, a seleção deve ser feita com a urgência e os custos que, novamente, podem ser consideráveis.

No entanto, há ferramentas, bastante fáceis de operacionalizar, com um ROI rápido e que permitem verificar os currículos, elaborar instantaneamente uma primeira classificação e realizar pesquisas relevantes na base de dados criada pela empresa. É uma boa entrada no mundo dos sistemas de informação de Recursos Humanos (SIRH) de última geração que, logicamente, conduzirá as organizações a optar pelo pacote de produtos com as soluções de gestão de talentos mais completas e que proporcionam uma maior visibilidade aos seus recursos humanos para alcançar uma gestão eficaz do desempenho operacional das empresas na área dos Recursos Humanos. Um interesse sério nestas ferramentas é fundamental, pois, tendo em conta os importantes custos da selecção de pessoal e as economias que permitem auferir, são extremamente rentáveis.