Blog RH | 24 Outubro 2019

Recursos humanos: 6 erros numa dinâmica de teambuilding.

recursos-humanos-6-erros-numa-dinamica-de-teambuilding

A boa gestão de recursos humanos numa empresa pode trazer grandes benefícios, além de um ambiente de trabalho agradável e motivação. A dinâmica do teambuilding, que nos últimos anos se tornou moda, é uma série de atividades organizadas e estruturadas, adaptadas às necessidades de cada empresa. Essas atividades de teambuilding melhoram a capacidade de desempenho e trabalho em equipa.

Os eventos de formação de equipas geralmente são organizados fora do horário de trabalho e em diferentes espaços, para que os colaboradores sintam que partilham o seu tempo livre com outros colegas. Existem diferentes tipos de dinâmicas para a melhoria das relações entre as pessoas de uma empresa. No entanto, as atividades mais utilizadas são geralmente as relacionadas com o desporto, como futebol, remo, escalada ou atividades criativas, entre as quais, sem dúvida, as salas Escape. Em todas estas atividades, pretende-se promover o trabalho em equipa, alcançar objetivos comuns e desenvolver o pensamento lateral.

Se essas estratégias forem executadas corretamente, os benefícios que elas podem trazer são muitos. Entre eles, aumentam a motivação entre os trabalhadores; melhorar os seus relacionamentos, comunicação e cooperação; ajudam a reduzir o stress; aumentam a criatividade do grupo e permitem avaliar e analisar quais os aspetos que podem ser melhorados em termos de gestão de recursos humanos numa empresa.

Ao fazer uma dinâmica de teambuilding, existem alguns erros que ocorrem com bastante frequência. Explicamos abaixo as chaves para evitá-los e, consequentemente, tornar a estratégia de gestão de capital humano o mais eficaz possível.

 

1. Papéis de liderança fraca

A pessoa que lidera a equipa deve ser capaz de liderar, pois a sua função é orientar os restantes colegas da equipa. O líder deve ser caracterizado como uma pessoa positiva, que saiba ouvir os outros e que permita que eles contribuam com novas ideias e perspetivas.

Para evitar confusão de papéis, uma estratégia clara deve primeiro ser definida e os objetivos definidos.

2. Excesso de permissividade com a autoridade

Embora o líder deva ouvir as contribuições de seus companheiros, não se deve cair no erro de permissividade excessiva. O equilíbrio entre as noções dos líderes e as sugestões do restante da equipa deve ser prevalecer.

Para isso, cada pessoa que traz uma perspetiva diferente ou uma ideia inovadora deve apoiá-la em argumentos sólidos. Os trabalhadores não devem sentir-se intimidados pelo chefe ou ter medo de dizer o que pensam. Por outro lado, os líderes devem estar abertos a qualquer proposta. Mesmo assim, deve ser sempre o líder quem guia a equipa.

3. Bloquear

Entende-se por bloqueio aquelas pessoas com comportamentos inapropriados que dificultam o trabalho coletivo e prejudicam o bom clima do grupo. As pessoas que adotam papéis de bloqueio podem ser, entre outras, as que sempre procuram reconhecimento ou as que falam demasiado sem contribuir com nada.

Para evitar tais situações, é aconselhável conversar com a pessoa que causa os bloqueios e explicar, sempre de forma educada, o que está causando. Uma boa comunicação é um elemento-chave.

4. “Free ride”

Ao falar sobre o conceito de ‘free ride’, é feita referência aos trabalhadores que não fazem a sua parte do trabalho e se deixam levar pelo trabalho de seus colegas. A formação de equipas pode ser uma oportunidade perfeita para detetar este tipo de comportamento e fazer um alerta antes que a empresa possa ser prejudicada.

5. Apreensão pela avaliação

Alguns trabalhadores podem sentir-se permanentemente julgados e, portanto, evitam dar as suas opiniões; Isso refere-se à apreensão da avaliação. É um erro que pode levar o grupo a um clima negativo, por isso é importante lembrar a todos os membros da equipa que estamos numa atividade de lazer.

6. Pensamento em grupo

Tanto na dinâmica do teambuilding de formação de equipas como na gestão de recursos humanos de uma empresa, a opinião da maioria nunca deve prevalecer sobre a decisão correta. Se algum trabalhador estiver convencido de que o curso realizado na atividade não é adequado, tente convencer o restante da equipa usando os argumentos necessários.

Métodos de trabalho que incentivam a colaboração e um bom ambiente de trabalho são essenciais se uma empresa se preocupa com o seu capital humano. Atualmente, as atividades recreativas tornaram-se as estratégias perfeitas para a formação de equipas. Isso, aplicado a outra série de boas práticas, como as que oferecemos na Talentia, através do nosso software de gestão de recursos humanos – gestão de talentos, desenvolvimento de desempenho, formação…, pode fazer uma empresa desenvolver as suas pessoas e, como resultado, maximizar seus resultados.