Blog de Finanças

Gestão do Desempenho Empresarial (GDE): a evolução do reporting financeiro

Os ciclos de reporting financeiro estão, mais do que nunca, sob grande pressão. As novas normas, as expetativas de transparência acrescidas e os níveis de rastreabilidade aumentados contribuíram para uma mudança considerável na forma como as organizações relatam a informação sobre o desempenho. Como resultado, a Gestão do Desempenho Empresarial (GDE) está, cada vez mais, a ser incorporada.
Os benefícios são claros. Uma abordagem consolidada para dados de negócio importantes, e não só para a informação financeira, fornecem um enquadramento mais amplo sobre comparações de orçamentos e previsão do futuro que combina os dados de todos os departamentos fundamentais. De acordo com este modelo, o processo de reporting inclui indicadores avançados como o canal de vendas, a análise da concorrência, o lançamento de produtos e os níveis de satisfação do cliente.
Sendo o objetivo principal do reporting revelar o que se passa no negócio a qualquer momento, esta evolução é essencial para acompanhar o ritmo acelerado do panorama empresarial – com relatórios financeiros que são acessíveis a múltiplas equipas promovendo a colaboração.
O diálogo entre os departamentos permite que as Finanças trabalhem estrategicamente com todos os departamentos. Assim melhoram o processo de decisão. Esta é uma área que continua a ser de extrema importância, como evidenciado pelas opiniões reunidas tanto de profissionais das Finanças como de RH em inquéritos recentes.
Os sistemas de GDE permitem que os principais acionistas tenham acesso à evolução do desempenho empresarial face ao orçamento interno e à concorrência, assim como ao panorama geral da saúde financeira de uma empresa. No entanto, a exatidão destes balanços é, em grande parte, dependente da qualidade dos dados. Apesar de serem utilizadas tradicionalmente no reporting, as folhas de cálculo podem promover erros dispendiosos.
Em processos complexos, como a Consolidação, Orçamentação e Previsão, não é aconselhada a utilização de folhas de cálculo devido à potenciação de erros. As melhores práticas pressupõem os dados contidos num só repositório que incorpora ferramentas analíticas poderosas e controlos que asseguram validade, segurança e qualidade.
O clássico “row and column” do reporting financeiro de dados deve ser levado a outro nível ao adicionar o contexto. Os profissionais das Finanças que não o fizerem serão incapazes de cumprir o objetivo principal do reporting financeiro: chegar às pessoas certas, no momento certo e com informação exata e utilizável.

Os ciclos de reporting financeiro estão, mais do que nunca, sob grande pressão. As novas normas, as expetativas de transparência acrescidas e os níveis de rastreabilidade aumentados contribuíram para uma mudança considerável na forma como as organizações relatam a informação sobre o desempenho. Como resultado, a Gestão do Desempenho Empresarial… Read More

Três conselhos Talentia para melhorar os seus processos de Reporting financeiro

O Reporting financeiro é uma tarefa-chave para todas as empresas. Dada a crescente pressão a que se vêem submetidos os profissionais financeiros para produzir relatórios precisos, e controlar os dados corretamente, é essencial que o processo seja eficiente e diminua o risco de erros sempre que possível.
Existem alguns passos simples que se devem ter em conta para tornar a tarefa de Reporting mais fácil.

1. Tenha uma só fonte de dados

Embora muitas empresas ainda dependam insistentemente de folhas de cálculo, diversos estudos demonstraram que esta ferramenta provoca erros. Ao manter todos os dados num só lugar, evita os riscos associados à manipulação de múltiplas folhas de cálculo. Situação, esta, em que a probabilidade de cometer um erro aumenta drasticamente. Considera-se que as folhas de cálculo são uma solução barata e fácil de utilizar, embora, na realidade, a recolha de dados de diversas fontes seja uma perda de tempo. Na realidade, a consolidação dos livros é um enorme desafio, em especial para as grandes empresas. Outro problema que surge é o controlo de versões com vários utilizadores que modificam os documentos em diferentes momentos e anulam o trabalho previamente guardado. Contar com uma fonte segura, onde os dados estão consolidados e são atualizados automaticamente, permite confiar na precisão do seu trabalho de reporting.

2. Colabore de forma eficaz

Andar atrás das pessoas por telefone ou correio eletrónico para estar a par do progresso das tarefas pode ser difícil e stressante. Os sistemas que têm ferramentas de fluxo de trabalho oferecem um controlo visual que permite verificar em que estado se encontram os processos e quem é o responsável de cada etapa. Esta estratégia permite aos utilizadores colaborar eficazmente nos projetos, estabelecendo-se ações de controlo mútuas. Deste modo estará sempre ciente de cada fase do processo e do progresso de cada membro da equipa.

3. O auto-atendimento é fundamental

Normalmente, à medida que as empresas crescem, também cresce o número de utilizadores do software financeiro. Os sistemas com auto-atendimento diminuem o tempo gasto na introdução e manipulação de dados na sede, o que permite à sua equipa dedicar-se à tomada de decisões empresariais. Por questões de segurança, os utilizadores podem ser agrupados e pode ser-lhes oferecido o acesso a apenas algumas funções ou gráficos, o que significa que a informação financeira crítica pode manter-se bem guardada, mesmo com muitos utilizadores.
Agora pense, faz estas três coisas de maneira eficaz na sua empresa atualmente?

A Talentia Software elaborou recentemente um white paper (Uncertain political landscapes: A land of Unknown) sobre como considerar a incerteza não como um inibidor, mas como catalisador para uma mudança positiva. Clique aqui para ler mais.

O Reporting financeiro é uma tarefa-chave para todas as empresas. Dada a crescente pressão a que se vêem submetidos os profissionais financeiros para produzir relatórios precisos, e controlar os dados corretamente, é essencial que o processo seja eficiente e diminua o risco de erros sempre que possível. Existem alguns… Read More